Em Cartaz nos Teatros de Copacabana e Leblon, Rio de Janeiro

Esse é o guia completo das peças em cartaz nos Teatros de Copacabana e Leblon, com endereços, horários e preços.

Um programa emocionante pode ser assistir a uma peça de teatro em Copacabana ou no Leblon!

Se você está hospedado em um dos hotéis, hostels e pousadas  de  Copacabana um teatrinho seguido de um bom jantar e em boa companhia é tudo que um início de noite necessita!

Abaixo você tem a lista dos teatros em Copacabana e no final da lista os Teatros do Leblon! 

Tuite para seus seguidores: A lista dos teatros em Copacabana e Leblon incluindo horários e peças em cartaz

 

Ancestral forma de se contar e assistir histórias o teatro está presente em Copacabana desde o cabaret de M. Louise, no finalzinho do posto 6. Pode-se dizer que Copacabana vem apresentando ao grande público todas as transformações do teatro ao longo do século XX e agora também!

Não podemos negar que o fechamento dos cassinos foi um motivo a mais para determinar o início de uma época de ouro para os teatros em Copacabana, já que sem a concorrência das mesas de jogos espaços como o Cassino do Hotel Copacabana Palace deu lugar ao Teatro Copacabana Palace de tantas peças e apresentações memoráveis! E em algum momento de meados do século XX o bairro de Copacabana ganharia até a sua própria dramaturgia com Nelson Rodrigues, antes de outros.

Nelson Rodrigues criou uma dramaturgia para Copacabana

 

Abaixo está a lista atualizada com os teatros localizados em Copacabana, Rio de Janeiro incluindo endereço, telefone e peças em cartaz

Pesquise escolhendo um dos teatros na caixa de busca e apertando o botão Encontrar. Você poderá clicar no mapa e ver os resultados ou fazer nova pesquisa.



Buscar:
Tipo:
 

Rua Miguel Lemos, Copacabana

Teatro Brigitte Blair

Rua Miguel Lemos, 51
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 25212955

Lotação : 200 lugares

 Em cartaz:

A bela e a fera - 2016 

 

Sinopse: A adaptação do tradicional conto francês La Belle et la Bêt (1750). 
Adaptação: Jorge Azevedo
Direção: Brigitte Blair e Jorge Azevedo
Elenco: Jardiel Gomes, Patricia Matos, Bruno Muniz e outros
Classificação: Livre
Ingresso: R$ 50.00
dom e sáb 18:00
Até 29 mai 2016

 

 

Elsa e Anna - Uma aventura congelante 

 

Sinopse: Adaptação do filme "Frozen".
Adaptação: Jorge Azevedo
Direção: Brigitte Blair e Jorge Azevedo
Elenco: Jardiel Gomes, Caio Lins e outros.
Ingresso: R$ 25.00 (criança); R$ 50.00 (adulto)
dom e sáb 17:00
Até 29 mai 2016

 

Sala Baden Powell

Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 360
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 25480421

Lotação : 500 pessoas

Em cartaz:

 
 
 

Sala Baden Powell, localizada no coração de Copacabana, surgiu com a reforma do antigo Cine Ricamar e foi assim batizada em homenagem ao grande violonista, falecido em 2001, tornando realidade o antigo projeto da Prefeitura de contar com um espaço nobre para ampliar ainda mais sua atuação na área cultural.

A sala, projetada como um local para a música, abriga hoje também montagens do teatro musical brasileiro. Em respeito à população do bairro e às suas necessidades, a Terceira Idade recebe atenção especial.

 
 

Teatro Glaucio Gil

Praça Cardeal Arcoverde, s/n
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 25477003

Em cartaz:

Valsa n 6... 

 

Sinopse: Monólogo em que a personagem Sônia, assassinada aos quinze anos, tenta lembrar o que aconteceu. Nessa montagem Sônia é interpretada por uma boneca de manipulação, pela Companhia Teatro Portátil.
Texto: Nelson Rodrigues
Direção: Alexandre Boccanera
Elenco: Flávia Reis, Julia Schaeffer, Guilherme Miranda
Classificação: 14 anos
Ingresso: R$ 30.00
qui e sex 20:00
Até 10 jun 2016

 

Esse vazio 

 

Sinopse:  Reencontro de grandes amigos em um velório.
Texto: Juan Pablo Gómez (em colaboração com Patrício Aramburu, Nahuel Cano e Alejandro Hener)
Direção: Sergio Módena
Elenco: Gustavo Falcão, Daniel Dias da Silva, Sávio Moll
Duração: 60 minutos
Classificação: 12 anos
Ingresso: R$ 40.00
dom, seg e sáb 20:00
Até 13 jun 2016

 

 

Glaucio Gil, conheça um pouco da história do mito contada por quem com ele conviveu

 

O homem Gláucio Gil, o célebre autor, o ator talentoso, o empresário generoso, o mito cuja passagem pela Terra, embora meteórica, de 1932 a 1965, comunicou também como poucos o enfadonho mundo da realidade ao raro prazer que textos e desempenhos teatrais brilhantes provocam.

Gláucio Gil é desconhecido até mesmo pela maioria dos funcionários do teatro que também leva o seu nome e cujas paredes não possuem sequer uma única foto sua.

Sem a pretensão de tentar reparar a injustiça - que ainda é regra em um país cuja memória tem menos importância do que as colunas de fofoca -, o Copacabana.COM destinou um espaço, muito menor do que Gláucio Gil mereceria, para que aqueles que com ele conviveram e trabalharam, contem quem ele foi e sua importância na cena cultural brasileira.

 

Hélio Bloch ( em memória)

 

O one-man-show - "O violinista no sobrado e nos porões da República" - que apresentei no Café do Teatro Gláucio Gil, em dezembro de 2002, inspirava-se nos relacionamentos que eu tivera com algumas das mais expressivas figuras da política e da cultura brasileiras nos últimos cinqüenta anos.(...)

Imaginem minha emoção ao fazê-lo em uma casa que evocava o talentoso dramaturgo e ator que fundara, comigo e com Leo Jusi, o Teatro Santa Rosa.

O que eu não esperava, ao atuar finalmente no espaço - composto de um Teatro e um simpático Café Teatro - que ostenta o nome do Gláucio Gill, é que ele fora condenado a permanecer apenas uma designação," sem retrato e sem bilhete", de um local destinado presumivelmente a cultuar sua memória.

Nenhuma foto de um ator que, em uma gloriosa, embora curta carreira, encantara as plateias que o viram e aplaudiram, entre outras peças, em sua "Toda donzela tem um pai que é uma fera" e em o "Bem Amado", dois dos maiores sucessos do Teatro Santa Rosa.

Ou de um apresentador e entrevistador de um programa da TV Globo, "Show da Noite", do gênero dos hoje chamados talk shows, produzido por Domingos de Oliveira, e que lhe valeu tamanha popularidade que, por ocasião de sua morte prematura, aos 33 anos, em 1965, levou multidões ao seu velório - no saguão do Santa Rosa - e ao cemitério São João Batista.(...)

Nenhuma informação biográfica ou, pelo menos, uma indicação do sucesso alcançado, tanto no teatro como no cinema, por seus inventivos e deliciosos textos: o ato de "Procura-se uma Rosa" - que inspirou o filme italiano "Una Rosa per tutti", dirigido por Franco Rossi e estrelado por Cláudia Cardinale - e a já citada "Toda donzela tem um pai que é uma fera", que Roberto Farias levou para a tela, com o mesmo título da peça original. (...)

(Trechos extraídos do artigo "O mínimo que você precisa saber sobre Gláucio Gil" publicados com a autorização da família de Hélio Bloch)

Léo Jusi: ex-sócio de Gláucio Gil no Teatro Santa Rosa, diretor de teatro e professor universitário aposentado da cadeira de Produção e Direção Teatral

Conheci Gláucio Gil na turma de teatro, ainda nos idos tempos do Conservatório Nacional de Teatro, no final dos anos 40. A amizade foi quase imediata. Gláucio tinha um humor arguto, uma capacidade de observação incomum.

No início dos anos 60, em abril de 1961, mais precisamente, eu, Hélio Bloch e o Gláucio adaptando um espaço antes destinado ao comércio, abrimos o teatro Santa Rosa. Aliás, sempre houve quem pensasse que batizamos o teatro em homenagem à santa. Não, não era. O teatro era uma homenagem ao artista plástico Thomaz Santa Rosa, um pessoa genial, um homem incrivelmente talentoso.

Além de ter sido um dos maiores comediógrafos do país, Gláucio foi o precursor dos talk shows. O que pouca gente sabe é que Gláucio Gil e Ziraldo foram relações-públicas da revista "O Cruzeiro", uma publicação com tiragem semanal gigantesca para o seu tempo, mais de 700 mil exemplares. "O Cruzeiro" foi o que é hoje a Rede Globo de Televisão, em termos de alcance e importância.

Por fim, posso dizer que Gláucio, que sempre foi, assim como eu, muito ligado ao Nelson Rodrigues, dedicou sua existência a produzir um teatro que traduzisse a alma brasileira.

Íris Bruzzi: Atriz com 52 anos de carreira, tendo atuado em 22 filmes, além de dezenas de peças musicais de teatro, novelas e humorísticos de TV.

- O Gláucio era um homem inteligentíssimo. Um comediante maravilhoso, um homem de muita coragem que, junto com o Hélio Bloch e o Léo Jusi, abriram o saudoso Teatro Santa Rosa. Nós, os atores e atrizes, éramos muito mimados pelo Gláucio. Nas matinées, às quintas e domingos, tínhamos um farto buffet antes e depois dos espetáculos. Rosas, bilhetinhos carinhosos, pagamentos extras eram constantes. O Gláucio administrava com o coração.

 

Eduardo Leite foi jornalista e escritor free-lancer e um amigo querido

 
 

Rua Francisco Sá, Copacabana

Teatro Posto Seis

Rua Francisco Sá, 51
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 22877496

 

Bee Gees e ABBA — O tributo 

Teatro Princesa Isabel

Avenida Princesa Isabel, 186
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 22753346

Em cartaz:

 

Sinopse: Musical com sucesso das bandas.
Texto e direção: Sidnei Domingues
Elenco: Waldyr Jorge, Jeane Cristine, Cissa Ferraz, Denise Klauck
Classificação: Livre
Duração: 70 minutos
Ingresso: R$ 60.00
sáb 19:00
Até 25 jun 2016

 

Espaço SESC Copacabana

Rua Domingos Ferreira, 160
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 25470156

Em cartaz:

Mercedes

 

Sinopse: A peça conta a história da primeira bailarina negra do Teatro Municipal. 
Texto: Cássio Duque, Sol Miranda
Direção: Juracy de Oliveira, Thiago Catarino
Elenco: Ariane Hime, Iléa Ferraz, Núbia Pimentel
Duração: 90 minutos
Classificação: 12 anos
Ingresso: R$ 20.00
qui, sex e sáb 20:30 | dom 19:00
Até 29 mai 2016

 

Peça infantil
Boquinha... E assim surgiu o mundo... 

 

Sinopse: Conta a história do surgimento do mundo com inspiração em diversas culturas, atraves de técnicas circenses.
Texto: Lázaro Ramos
Elenco: Orlando Caldeira
Ingresso: R$ 20.00
sáb 16:00 | dom 11:00
Até 29 mai 2016

 

 

Teatro Villa-Lobos

Avenida Princesa Isabel, 440
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 22756695

Em cartaz:

 

Rua Siqueira Campos, Copacabana

Theatro Net Rio 

Rua Siqueira Campos, 143 - sobreloja
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Lotação: 789 lugares

Telefone : 2148-8060

Em cartaz:

Gota d'água (a seco) 

 

Sinopse: A tragédia grega ‘Medeia’, de Eurípedes, da esposa abandonada que quer se vingar, tendo como cenario o subúrbio carioca.
Texto: Chico Buarque, Paulo Pontes
Adaptação e direção: Rafael Gomes
Elenco: Laila Garin, Alejandro Claveaux
Duração: 90 minutos
Classificação: 14 anos
Ingressos: R$ 150 (plateia e frisa)
qui, sex e sáb 21:00 | dom 20:00
Até 26 jun 2016

 

 
 

Café Teatro Arena

Rua Siqueira Campos, 143 - lj 40
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

22355348

Encerrou suas atividades em 2005 - Inaugurado em 1964, ainda como Teatro Opinião, ele serviu de palco para espetáculos históricos, como o show "Opinião", reunindo Nara Leão, Zé Keti e João do Vale.

Foi ainda por lá que o Centro Popular de Cultura da UNE, o CPC, costumava se reunir.

Por motivos econômicos o Grupo Opinião negociou em 1981 o seu teatro, que, depois de algumas reformas, passou a se chamar Arena.

A última obra por que passou o espaço aconteceu em 1998, dando ao local a conformação de café-teatro.

 

Teatros do Leblon, Rio de Janeiro

 

 

Teatro Oi Casa Grande

Avenida Afrânio de Melo Franco, 290
Leblon, Rio de JaneiroRJBrasil

telefone 25110800

Em cartaz:

Nuvem de lágrimas 

 

Sinopse: Musical inspirado do romance “Orgulho e preconceito”, de Jane Austen. 
Texto: Anna Toledo
Direção: Tânia Nardini, Luciano Andrey
Elenco: Gabriel Sater, Lucy Alves, Blota Filho
Classificação: Livre
Duração: 135 minutos
Ingresso: R$ 130 (plateia setor 1), R$ 150 (plateia VIP) e R$ 170 (camarote)
sex 21:00 | sáb 17:00 , 21:30
Até 29 mai 2016

 

 
 
 

Fundado em dia 25 de agosto de 1966, pelos amigos Max Haus, Moysés Ajhaenblat, Moisés Fuks e Sergio Cabral.

Passaram por lá grandes artistas daquela época: Nara Leão, Baden Powell, Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Elis Regina, Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Gal Costa e muitos outros.

Depois de um tempo parado para reforma, o teatro voltou a funcionar em 2008, com o nome de Oi Casa Grande.

Teatro do Leblon

Rua Conde Bernardotte, 26
Leblon, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 2529-7700  2529-7701

Composto por três salas que homenageiam grandes atrizes brasileiras - Fernanda Montenegro, Marília Pêra e Tônia Carrero - e conta com programação diversificada, de terça-feira a domingo, voltadas para o público infantil, jovem e adulto.

Em cartaz:

 

O amor perdoa tudo, inclusive o casamento

 

Sinopse: Peça sobre o dia dia do casamento.
Texto: Fabrício Carpinejar
Direção: Ary Coslov
Elenco: Alexandra Richter, Mouhamed Harfouch, Marcelo Aquino
Duração: 60 minutos
Classificação: 12 anos
R$ 60.00 (qui), R$ 70 ( sex e dom) e R$ 80 (sáb)
qui, sex e sáb 21:00 | dom 20:00
Até 31 jul 2016

 

Minha mulher se chama Maurício

 

Sinopse: Amigo atendendo a um pedido se passa por esposa do outro, causando uma grande e divertida confusão.
Texto: Raffy Shart
Direção: Cininha de Paula
Elenco: Ilvio Amaral, Maurício Canguçu, Guilherme Oliveira, Cláudia Lira
Duração: 80 minutos
Classificação: 12 anos
R$ 60.00 (qui e sex) e R$ 70 (sáb e dom)
qui, sex e sáb 21:00 | dom 20:00
Até 29 mai 2016

 

 

Teatro do Jockey

Avenida Bartolomeu Mitre, 1.110
Leblon, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 3114-1286

O Teatro Municipal do Jockey, incorporado à rede de teatros da Prefeitura do Rio em 2001, passou a abrigar o Centro Municipal de Referência do Teatro Infantil.

O espaço se dedica à produção contemporânea e é adaptável a todo tipo de encenação. Recentemente foi despejado pelo Jockey e agora está de mudança para o Planetário da Cidade, na Gávea.

 
 

Teatro Café Pequeno


Avenida Ataulfo de Paiva, 269,

Leblon, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

telefone 22944480

Antigo Teatro de Bolso Aurimar Rocha, o Teatro Café Pequeno, do Leblon, reformado pela Prefeitura do Rio em 1994.

Hoje é lugar onde atuam novos autores e diretores e espetáculos experimentais.

Em cartaz: