Rua Júlio de Castilhos, Copacabana, Rio de Janeiro

A Rua Júlio de Castilhos começa na Avenida Atlântica  e termina na Rua Bulhões de Carvalho .


Tuite para os seus amigos: A rua Julio de Castilhos fica no Posto 6 e começa na Avenida Atlântica

 

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.9841557, -43.1916050)

 

 

CEP da Rua Júio de Castilhos, Copacabana, Rio de Janeiro:

  • 22081-025 Rua Julio de Castilhos

Confira a lista completa dos CEP de Copacabana

clicando aqui

 

#Hashtag:

  • #ruajuliodecastilhos
  • #juliodecastilhos

Rua Júlio de Castilho, Copacabana

Restaurantes na Rua Júlio de Castilhos

Poucas opções na Rua mas existem bons restaurantes realizando entrega à domicílio bem pertinho!

 Confira a Lista completa dos Restaurantes  em Copacabana clicando aqui 

A Lista e Reserva de Hotel, hostel e apartamentos de aluguel por temporada na região da Rua Júlio de Castilhos


Rua Júlio de Castilhos em Copacabana


A Rua Júlio de Castilhos começa na Avenida Atlântica  e termina na Rua Bulhões de Carvalho .

Primeiramente chamou-se Rua Maia Lacerda.

Na esquina com Rua Raúl Pompéia existe uma obra de arte num mosaico de azulejos, de estilo modernista, de 1956, feito pela artista Noêmia Guerra que foi uma contemporânea de mestres como Portinari, Di Cavalcanti, Miltonn DAcosta, Scliar entre outros.

Júlio Prates de Castilhos, político brasileiro, nasceu na fazenda da Reserva, antigo distrito de São Martinho, município de Vila Rica, atual município de Júlio de Castilhos, Rio Grande do Sul em 29 de julho, 1860, filho legítimo de Francisco Ferreira de Castilho, natural de Santo Antônio da Patrulha, e dona Carolina Prates de Castilho, natural de Caçapava. Ao nome foi acrescentado um s, talvez pelo próprio Francisco Ferreira, de vez que já nos atestados de 1865 figura seu nome Castilhos, com o s e todos os filhos o usaram.

Matriculando-se no Colégio Fernando Gomes, dirigido pelo Professor Fernando Ferreira Gomes, após os estudos iniciados em casa, sob os auspícios da Professora dona Francisca Carolina Miller Wellington, em 1865, então com apenas cinco anos incompletos de idade, terminou, naquele Colégio, seus preparatórios.

Júlio de Castilhos, estudante quieto, tímido, era conhecido como Gaguinho, ou Pato, segundo uns, porque, quando lavava o rosto, espalhava água por todos os lados, como os patos ao bater as asas saindo da lagoa; segundo outros,porque era baixo, esparramado e caminhava gingando.

Continuava, porém, gago do mesmo modo a ponto de não poder responder às perguntas por ocasião dos exames de preparatórios na Instrução Pública. Causava pena ver o esfôrço que fazia para articular qualquer palavra. Não conseguia responder coisa alguma do ponto oral. Suas provas escritas e a boa fama de ótimo estudante lhe valeram as melhores notas, podendo assim ser aprovado, e sempre plenamente.

Mais tarde tornou-se polemista brilhante, advogado e líder Positivista lutou pela abolição da escravatura e pela queda do Império. Como político, foi duro, implacável, autoritário. Acreditava na ação científica do governo.

Em 1890, foi eleito deputado federal pelo Rio Grande do Sul e participou da Constituinte de 1891. Foi o primeiro governador do Rio Grande do Sul eleito na fase republicana. 

 

Enfrentou, na sua gestão, a a revolta federalista, conhecida como a revolta das degolas, o período mais violento da história gaúcha. Só ao receber, numa caixa de chapéu, a cabeça de Gomercindo Saraiva, compreendeu porque era considerado cruel. Atrás dessa imagem pública, havia o marido deHonorina, capaz de escrever longas cartas apaixonadas, enciumado até dos pensamentos da mulher. Afastou-se do governo no final do mesmo ano, ante uma série de tumultos e crises políticas estaduais.

Em julho de 1892, à frente de um amplo movimento popular retomou o governo e nomeou vice-governador Vitorino Monteiro, a quem entregou o poder, convocando, a seguir, eleições gerais. Em 1893, na revolução federalista, derrotou os "maragatos" (federalistas e monarquistas, liderados por Gaspar Silveira Martins, que usavam lenços vermelhos) como líder dos "pica-paus republicanos" (adeptos do Estado local forte e autônomo, que usavam lenços brancos).

Foi eleito, por voto direto, reassumindo a chefia do Executivo gaúcho e reformou toda a administração estadual. Governou até 1897, quando transmitiu o cargo a Borges de Medeiros.

Faleceu môço ainda, 43 anos incompletos, vitimado por um mal da garganta (sempre a garganta: a gagueira e, por fim, a morte), durante a operação a que se submeteu, sendo médico Dr. Protásio Alves, com vários assistentes, às seis horas da tarde do dia 24 de outubro de 1903. Antes de dirigir-se para a mesa operatória, beijara a espôsa e os filhos e a uma das filhas dissera: - Filha, sê como a tua mãe... E dirigindo-se ao local, ouvira do médico a palavra - coragem! - ao que respondeu de imediato: Não preciso de coragem, é de ar que eu preciso, perguntando a seguir - Quem me cloroformiza? -

Recebido o nome, disse, deitando-se: Bem, estou tranqüilo.

E tranqüilamente morria, instantes depois de operado, antes mesmo de voltar a si do sono em que fôra imerso pela ação do anestésico.

Seu sepultamento, no dia seguinte, foi assistido pela população em peso da capital. Até mesmo seus antigos adversários, em grande parte, compareceram.

Seu túmulo é uma das obras de arte, em bronze, pleno de simbolismo positivista, como o monumento que lhe foi erguido, inaugurado em Porto Alegre, na Praça Marechal Deodoro, em 1914, obra do escultor Décio Vilares.

Estátua de Júlio de Castilhos, em Porto Alegre

Estátua de Júlio de Castilhos, em Porto Alegre

Depoimentos

"Eu me chamo Julio de Castilho e sou filho de Laurentino Ferreira de Castilho achei muito interessante essa historia sempre quiz saber o motivo do nome do municipio se chamar Julio de Castilho por coincidencia lido com politica tbm sou fiiado num partido politico aqui... adorei... " Julio de Castilho 

Existe este mural fantástico modernista, de 1956, da artista 

Noêmia Guerra na esquina de Júlio de Castilhos com Raúl Pompéia.

Pesquise e descubra mais!