Rua Raimundo Correa, Copacabana, Rio de Janeiro 

Rua Raimundo Correa começa na Avenida Nossa Senhora de Copacabana  e termina na Rua 5 de Julho .

Tuite para os seus amigos: Na Rua Raimundo Correa e várias outras ruas de Copacabana a velocidade máxima de veículos é de 30 KM por hora!

 

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.970984,-43.189595)



Rua Raimundo Correa, Copacabana

 

CEP da Rua Raimundo Correa, Copacabana, Rio de Janeiro:

  • 22040-040 Rua Raimundo Correia

Confira a lista completa dos CEP de Copacabana

clicando aqui


#Hashtag:

  • #ruaraimundocorrea
  • #raimundocorrea

Posto do INSS na Rua Raimundo Correia

Rua Raimundo Correa, 20 - 22040-040

Restaurantes na Rua Rua Raimundo Correa

Abaixo vão algumas sugestões de restaurantes na região da rua Raimundo Correa, começamos pelo melhor e mais tradicional que é o La Mole, de massas e que fica bem ali no 31 da Dias da Rocha!

Confira a Lista completa dos Restaurantes  em Copacabana clicando aqui  .

A Lista e Reserva dos Hoteis, hostel e apartamentos de aluguel por temporada na região da Rua Raimundo Correa

Na região da Rua Raimundo Correa selecionamos alguns lugares para que você reserve seu hotel, hostel e apartamento de aluguel por temporada  em Copacabana pela localização ao lado ou consulte a Lista de Hotéis clicando aqui

Na lista ao lado

  • Nome do Estabelecimento
  • Endereço
  • Preço Mínimo
  • Preço Máximo
  • Total de Vagas

Clique na foto para reservar


Rua Raimundo Correa em Copacabana, Rio de Janeiro

Rua Raimundo Correa começa na Avenida Nossa Senhora de Copacabana  e termina na Rua 5 de Julho .

No primeiro quarteirão existem lojas e comércio além de consultórios e escritórios comerciais em alguns edifícios. No restante da Rua ela é residencial e de velocidade de transito limitada a 30 km/h. 

Raimundo da Mota de Azevedo Correia, escritor, poeta, magistrado e diplomata brasileiro, nasceu em 13 de maio de 1859 a bordo do navio à vapor São Luís, na baía de Mogunça, Maranhão (1859-1911).

Foram seus pais o desembargador José Mota de Azevedo Correia, descendente dos duques de Caminha, e Maria Clara Vieira da Silva.

Vindo a família para a Corte, Raimundo foi matriculado no Internato do Colégio Nacional, hoje Pedro II , onde concluiu os estudos preparatórios em 1876. No ano seguinte, matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo.

Ali encontrou um grupo de rapazes entre os quais estavam Raul Pompéia, Teófilo Dias, Eduardo Prado, Afonso Celso, Augusto de Lima, Valentim Magalhães, Fontoura Xavier e Silva Jardim, todos destinados a ser grandes figuras das letras, do jornalismo e da política brasileira.

Em São Paulo colaborou em diversos jornais, entre os quais A Reação, Sciencias e Letras, Constitucional, Boêmio e Comédia. Estreou na literatura em 1879, com o volume de poesias Primeiros sonhos. Em 1883 publicou Sinfonias, 81 poemas com prefácio de Machado de Assis, onde se encontra um dos mais conhecidos sonetos da língua portuguesa, "As pombas". Este poema valeu a Raimundo Correia o epíteto de "o Poeta das pombas", que ele, em vida, tanto detestou.

Nesse mesmo ano foi nomeado promotor público em São João da Barra e, em 1884, era juiz municipal e de órfãos e ausentes da Província de Vassouras. Em 21 de dezembro daquele ano casou-se com Mariana Sodré, de ilustre família fluminense. Em Vassouras, começou a publicar poesias e páginas de prosa no jornal O Vassourense, do poeta, humanista e músico Lucindo Filho, no qual colaboravam nomes ilustres: Olavo Bilac, Coelho Neto, Alberto de Oliveira, Lúcio de Mendonça, Valentim Magalhães, Luís Murat, e outros. 

Em 1889 foi nomeado secretário da presidência da província do Rio de Janeiro, no governo do conselheiro Carlos Afonso de Assis Figueiredo. Após a proclamação da República, foi preso. Sendo notórias as suas convicções republicanas, foi solto, logo a seguir, e nomeado juiz de direito em São Gonçalo de Sapucaí, no sul de Minas Gerais.

Em 22 de fevereiro de 1892, foi nomeado diretor da Secretaria de Finanças de Ouro Preto. Na então capital mineira, foi também professor da Faculdade de Direito. No primeiro número da Revista que ali se publicava, apareceu seu trabalho "As antiguidades romanas". Em 1897, no governo de Prudente de Morais, foi nomeado segundo secretário da Delegação do Brasil em Portugal. Ali edita suas Poesias, em quatro edições sucessivas e aumentadas, com prefácio do escritor português D. João da Câmara. Por decreto do governo, suprimiu-se o cargo de segundo secretário, e o poeta voltou a ser juiz de direito. Em 1899, residindo em Niterói, era diretor e professor no Ginásio Fluminense de Petrópolis.

Em 1900, voltou para o Rio de Janeiro, como juiz de vara cível, cargo em que permaneceu até 1911, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, patrono da Cadeira n. 5 da Academia. Por motivos de saúde, partiu para Paris em busca de tratamento. Ali veio a falecer em 13 de setembro de 1911. Seus restos mortais ficaram em Paris até 1920. Naquele ano, juntamente com os do poeta Guimarães Passos também falecido na capital francesa, para onde fora à procura de saúde, foram transladados para o Brasil, por iniciativa da Academia Brasileira de Letras, e depositados, em 28 de dezembro de 1920, no cemitério de São Francisco Xavier.

Obras de poesia:

  • Primeiros sonhos (1879);
  • Sinfonias (1883);
  • Versos e versões (1887);
  • Aleluias (1891);
  • Poesias (1898, 1906, 1910, 1916);
  • Poesias completas, 2 vols., org. de Múcio Leão (1948);
  • Poesia completa e prosa, org. de Valdir Ribeiro do Val (1961).

Antologia

As pombas

Vai-se a primeira pomba despertada...
Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sangüínea e fresca a madrugada.

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais, de novo, elas, serenas
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada...

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam
E eles aos corações não voltam mais...

Mal secreto

Se a cólera que espuma, a dor que mora
N'alma e destrói cada ilusão que nasce;
Tudo o que punge, tudo o que devora
O coração, no rosto se estampasse;

Se se pudesse o espírito que chora
Ver através da máscara da face,
Quanta gente talvez que inveja agora
Nos causa, então piedade nos causasse!

Quanta gente que ri, talvez consigo
Guarda um atroz, recôndito inimigo,
Como invisível chaga cancerosa!

Quanta gente que ri, talvez, existe
Cuja ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!

Saudade

Aqui outrora retumbaram hinos;
Muito coche real nestas calçadas
E nestas praças, hoje abandonadas,
Rodou por entre os ouropéis mais finos...

Arcos de flores, fachos purpurinos,
Trons festivais, bandeiras desfraldadas,
Girândolas, clarins, atropeladas
Legiões de povo, bimbalhar de sinos...

Tudo passou! Mas dessas arcarias
Negras, e desses torreões medonhos,
Alguém se assenta sobre as lájeas frias;

Em torno os olhos úmidos, tristonhos,
Espraia, e chora, como Jeremias,
Sobre a Jerusalém de tantos sonhos!...

A leoa

Não há quem a emoção não dobre e vença,
Lendo o episódio da leoa brava,
Que, sedenta e famélica, bramava,
Vagando pelas ruas de Florença.

Foge a população espavorida,
E na cidade deplorável e erma
Topa a leoa só, quase sem vida
Uma infeliz mulher débil e eferma.

Em frente à fera, um estupor de assombro,
Não já por si tremia, ela, a mesquinha,
Porém, porque era mãe e o peso tinha,
Sempre caro p'r'as mães, de um filho ao ombro.

Cegava-a o pranto, enrouquecia-a o choro,
Desvairava-a o pavor!... e entanto, o lindo,
O tenro infante, pequenino e louro,
Plácido estava nos seus braços rindo.

E o olhar desfeito em pérolas celestes
Crava a mãe no animal, que pára e hesita,
Aquele olhar de súplica infinita,
Que é só próprio das mães em transes destes.

Mas a leoa, como se entendesse
O amor de mãe, incólume deixou-a...
É que esse amor até nas feras vê-se!
E é que era mãe talvez essa leoa!

Fontes:
www.academia.org.br - Academia Brasileira de Letras

GONÇALVES, Magali Trindade e outros. Antologia de antologias: 101 poetas brasileiros revisitados. São Paulo, Musa, 1995 

rua-raimundo-correia6.jpg

A Rua Raimundo Correa começa na Avenida Nossa Senhora de Copacabana e termina na Rua Cinco de julho

Pesquise e descubra mais!