Rua Martim Afonso no Leme, Copacabana, Rio de Janeiro 

A Rua Martim Afonso começa na Avenida Atlântica e termina na Rua Gustavo Sampaio, no Leme. 

Tuite para os seus amigos: A Rua Martim Afonso é a primeira rua transversal da Avenida Atlântica no Leme

Ocupando apenas um quarteirão no final do Leme, a Rua Martim Afonso é residencial com poucos edifícios.

É a primeira rua da Avenida Atlântica e fica perto do Complexo Chapéu-Mangueira.

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.9623457,-43.16678570)

CEP da Rua Martim Afonso, Leme, Rio de Janeiro:

  • 22010-030 Rua Martim Afonso - Leme

#Hashtag:

  • #ruamartimafonso

Rua Martim Afonso, Copacabana

Restaurantes na Rua Martim Afonso

Uma ótima localização no Leme com excelentes opções de restaurantes bem pertinho da Rua Martim Afonso!

  • Bistrot du Leme, Avenida Atlântica, 656 - Leme - telefone 21225900, comida francesa! 

  • Restaurante e Pizzaria Veneziana - Rua Gustavo Sampaio, 410 - Leme - telefone 25438302

  • Restaurante Shirley - Rua Gustavo Sampaio, 610 - Leme - telefone 22751398, o melhor restaurante de comida espanhola em Copacabana!

  • Panificação Confeitaria Duque Caxias - Rua Gustavo Sampaio, 508 - Leme - telefone 22750749

A Lista e Reserva de Hotel, hostel e aluguel de apartamento por temporada na região da Rua Martim Afonso, no Leme

Veja algumas de sugestões de hotel, apartamento por temporada e hostel na região do entorno da Rua Martim Afonso, reserve seu hotel em Copacabana pela localização ou consulte a Lista de Hotéis clicando aqui

Clique na foto para reservar

Quem foi o Martim Afonso que nomeia essa Rua no Leme, em Copacabana?

Martim Afonso de Sousa, militar e administrador colonial português, nasceu em Vila Viçosa, Portugal (1500 - 1571). De família nobre, Martim Afonso  era filho de Lopo de Sousa e Brites de Albuquerque.

Em 1521 passa a viver na Espanha, onde se casou com dona Ana Pimentel e lutou sob Carlos V contra os franceses, retornou em 1525 a Portugal a pedido de Dom João III. Assim entrou, ainda jovem, para o conselho do rei Dom João III, que, em 1530, confiou-lhe o comando de uma frota de cinco navios e 400 homens para impedir a pretensão dos franceses que queriam invadir a colônia portuguesa do Brasil. Recebeu a missão de expulsar os franceses, descobrir terras, explorar o rio da Prata e fundar núcleos de povoamento.

Partiu de Lisboa a 3 de dezembro de 1530 com as quatro naus, tendo como imediato o irmão Pero Lopes de Sousa e transportando cerca de quatrocentas pessoas. Depois de percorrer todo o território brasileiro pelo litoral, apresando navios franceses até o rio da Prata, onde sobreviveu a um naufrágio, Martim Afonso retornou a São Vicente em 21 de janeiro de 1531, ali fundando a primeira vila do Brasil com a ajuda de João Ramalho e Antônio Rodrigues, moradores da região que haviam feito amizade com os caciques Tibiriçá e Caiubi.

Na região do planalto, e também graças a João Ramalho, estabeleceu em Piratininga uma pequena aldeia de duração efêmera. Em São Vicente iniciou a cultura da cana-de-açúcar e ordenou a instalação de um engenho. Em outubro de 1532, Dom João III comunicou-lhe por carta a decisão de dividir as terras em capitanias hereditárias, a doação que lhe fazia de cem léguas de costa, coube-lhe a posse das capitanias de São Vicente e Rio de Janeiro e também a autorização para que retornasse a Lisboa, o que Martim Afonso fez em 1533.

Destacou-se nas campanhas militares portuguesas, nas Índias, e contra os corsários que dificultavam o comércio português. No ano seguinte, foi nomeado capitão-mor da Índia, para onde voltaria em 1543, também nomeado, por Dom João III, agora como vice-rei das Índias, onde governou por três anos. Voltou a Portugal, em 1546, para ocupar seu lugar no Conselho de Estado mas não veio mais ao Brasil.

A Rua Martim Afonso, é uma rua residencial do Leme e fica próxima ao complexo Chapéu Mangueira - Babilônia!

Pesquise e descubra mais!