Custom Search

Rua Leopoldo Miguez, Copacabana, Rio de Janeiro 

A Rua Leopoldo Miguez começa na Rua Constante Ramos  e termina na Rua Djalma Ulrich.

Tuite para os seus amigos: Na rua Leopoldo Miguez esquina com a Rua Barão de Ipanema fica a Igreja de São Paulo Apóstolo

Seu primeiro nome era Rua Floriano Peixoto, em homenagem ao Marechal de Ferro, que foi presidente do Brasil.

Rua Leopoldo Miguez, Copacabana

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.9757407, -43.1912059)

 CEP da Rua Leopoldo Miguez, Copacabana, Rio de Janeiro:

  • 2060-020 Rua Leopoldo Miguez

#Hashtag

  • #rualeopoldomiguez 
  • #leopoldo 

Rua Leopoldo Miguez, Copacabana

Igreja PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO

Rua Barão de Ipanema nº 85 - telefone 22557547

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA PARÓQUIA

2ª Feira/ 3ª Feira/ 5ª Feira/ 6ª Feira (6:00h30min às 19:00h)

 HORÁRIO DAS MISSAS ( 7:00h - 8:00h - 9:00h e 18:00h )

4ª FEIRA 6:00h30min às 12:00h 15:00h às 19:00h

HORÁRIO DAS MISSAS ( 7:00h e 18:00h)

SÁBADO 6:00h30min às 12:00h 15hs às 18hs

HORÁRIO DAS MISSAS ( 7:00h – 8:00 – 9:00 e 17:00h )

DOMINGO 7:00h às 13:00h 16:00h às 21:00h

HORÁRIO DAS MISSAS  ( 7h30min – 9:00h – 10h30min – 12:00h - 16h30min – 18:00h e 19h30min )

Restaurantes na região da Rua Leopoldo Miguez

Existe uma boa quantidade de bons restaurantes na região da Rua Leopoldo Miguez onde destacamos:

A Lista e Reserva de Hotel, hostel e apartamento por temporada na região da Rua Leopoldo Miguez

Veja algumas de sugestões de hospedagem perto da Rua Leopoldo Miguez, reserve seu hotel, hostel e apartamentos por temporada em Copacabana  pela localização ou consulte a Lista de Hotéis clicando aqui

Clique na foto para reservar

Quem foi Leopoldo Miguez que nomeia esta rua em Copacabana?

Leopoldo Américo Miguezcompositor e regente brasileiro, nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, RJ em 9 de setembro de 1850; e faleceu em 6 de Julho de 1902.

Foi para a Espanha com dois anos de idade, e aí permaneceu por cinco anos, quando mudou-se para o Porto, Portugal, onde estudou harmonia e composição com o violinista Nicolau Medina Ribas e com Giovanni Franchini.

Retornou ao Brasil (1871), passando a trabalhar como guarda-livros na Casa Dantas, no Rio de Janeiro. Fundou com Arthur Napoleão a firma Arthur Napoleão & Miguez, de pianos e música (1878), mas dez anos depois, abandonou a atividade comercial para se dedicar à música. Sob a proteção dePedro II, viajou para a Europa (1882), recomendado a Ambroise Thomas, Diretor do Conservatório de Paris.

Retornou ao Brasil (1884), fortemente influenciado pela música futurista de Franz Liszt, Hector Berlioz e Richard Wagner. Passou a dirigir espetáculos líricos em São Paulo e no Rio de Janeiro  (1886) e foi o ganhador do Primeiro Prêmio em concurso público com o Hino à proclamação da República (1890).

Música composta por Leopoldo Américo Miguez (1850-1902)
Letra escrita por Joaquim de Medeiros e Albuquerque (1867-1934).

Seja um pálio de luz desdobrado
Sob a larga amplidão destes céus
Este canto rebel, que o passado
Vem remir dos mais torpes labéus!
Seja um hino de glória que fale
De esperanças de um novo porvir!
Com visões de triunfos embale
Quem por ele lutando surgir!

Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!

Nós nem cremos que escravos outrora
Tenha havido em tão nobre país...
Hoje o rubro lampejo da aurora
Acha irmãos, não tiranos hostis.
Somos todos iguais! Ao futuro
Saberemos, unidos, levar
Nosso augusto estandarte que, puro,
Brilha, ovante, da Pátria no altar!

Liberdade! Liberdade!...

Se é mister que de peitos valentes
Haja sangue no nosso pendão,
Sangue vivo do herói Tiradentes
Batizou este audaz pavilhão!
Mensageiros de paz, paz queremos,
É de amor nossa força e poder,
Mas da guerra nos transes supremos
Heis de ver-nos lutar e vencer!

Liberdade! Liberdade!...

Do Ipiranga é preciso que o brado
Seja um grito soberdo de fé!
O Brasil já surgiu libertado
Sobre as púrpuras régias de pé!
Eia, pois, brasileiros, avante!
Verdes louros colhamos louçãos!
Seja o nosso País triunfante,
Livre terra de livres irmãos!

Liberdade! Liberdade!...

Foi membro da comissão que extinguiu o antigo Conservatório Imperial e criou o Instituto Nacional de Música, que dirigiu até sua morte.

Restaurou diversas obras de Marcos Portugal e do padre José Maurício Nunes Garcia e foi responsável pela orquestração final do Hino Nacional Brasileiro. Novamente viajou para a Europa (1895), onde adquiriu excelente instrumental para a Orquestra Sinfônica do Instituto Nacional de Música, aparelhos para o gabinete de acústica, além de livros e partituras para a biblioteca.

Sua ópera Pelo amor!, com libreto de Coelho Neto, foi encenada, no Cassino Fluminense (1897) e I Salduni, no Teatro Lírico (1901), também com libreto de Coelho Neto.

Publicou Elementos da Teoria Musical e vários artigos na Gazeta Musical, do Rio de Janeiro, sob o título Teoria da formação das escalas cromáticas. Faleceu no Rio de Janeiro e foi escolhido como Patrono da Cadeira número 23 da Academia Brasileira de Música.

Outras obras importantes do autor: Sinfonia em sol bemol (1882), Parisiana (1888), Ave libertas (1890), Prometheus (1891), Marcha elegíaca a Camões (1880), Marcha nupcial (1876), Hino à proclamação da República (1890) e Suite à l’antique (1893).

Leopoldo Miguez foi o compositor do Hino da República, um dos mais lindos que existem!

Pesquise e descubra mais!

Custom Search