Custom Search

Rua Figueiredo Magalhães, Copacabana, Rio de Janeiro 

A Rua Figueiredo Magalhães começa na Avenida Atlântica e termina na Praça Vereador Rocha Leão.

Tuite para os seus amigos: Na Rua Figueiredo Magalhães fica a saída de Copacabana para Botafogo

Figueiredo esquina com Avenida Copacabana anos 1970, repare na mão invertida em direção à praia!

É uma das principais vias de saída de Copacabana rumo a Botafogo via cemitério de São João Batista.

Existe uma saída da Estação de Metrô Siqueira Campos na Rua Figueiredo Magalhães ao lado do n° 548. 

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.9677071,-43.188341180)

CEP das ruas do Rua Figueiredo Magalhães, Copacabana, Rio de Janeiro:

  • 22031-010 Rua Figueiredo Magalhães

#Hashtag:

  • #ruafigueiredomagalhaes
  • #figueiredo 
  • #metrofigueiredo 

Rua Figueiredo Magalhães, Copacabana

Restaurantes na Rua Figueiredo Magalhães

Gente com muita pressa precisa de muita refeição rápida!

Essa é a conclusão que a gente chega quando vê a lista de restaurantes na Figueiredo! 

  • Estação Minas - Rua Figueiredo Magalhães, 147 - telefone 22558995
  • Subway Copacabana - Rua Figueiredo Magalhães, 147 - telefone 32087500
  • Bob's - Rua Figueiredo Magalhães, 219 - telefone 25491287
  • Spoleto - Rua Figueiredo Magalhães, 285, Loja A - telefone 22554167
  • Sfera pizzaria - Rua Figueiredo Magalhães, 354 - telefone 22572768
  • Kitutes da Deusa - Rua Figueiredo Magalhães, 581 - telefone 25470362
  • Crepe Diem - Rua Figueiredo Magalhães, 598 - telefone 25472156
  • Galeto Almirante - Rua Figueiredo Magalhães, 870 - telefone 22366799

A Lista e Reserva de Hotel, hostel e aluguel de apartamento por temporada na Rua Figueiredo Magalhães

Quem foi o Figueiredo Magalhães que deu nome a esta rua em Copacabana?

Francisco Bento Alexandre de Figueiredo Magalhãesmédico cirurgião, nasceu em Gomiei, concelho de Viseu, onde foi presidente da camara municipal (1838-1895).

Foi chefe do hospital da Sociedade Portuguesa de Beneficência.

Era proprietário de uma chácara em Copacabana e grande entusiasta dos bons ares do bairro que receitava aos seus pacientes. 

Chalé do Dr. Figueiredo Magalhães

Abaixo o texto COPACABANA: UMA INVENÇÃO PORTUGUESA do escritor brasileiro, radicado em Portugal, DUDA GUENNES.

Esta é Copacabana - ampla laguna
Curva e horizonte, arco de amor vibrando
Sua flechas de luz contra o infinito.
Aqui meus olhos desnudaram estrelas
Aqui meus braços discursaram à lua
Desabrochavam feras dos meus passos
Nas florestas de dor que percorriam.
Copacabana, praia de memórias!

Vinícius De Moraes 

No final do século XIX, Copacabana era um areal perdido e inabitado nos sertões do Rio de Janeiro.

Tinha apenas uma pequena capela na qual se venerava a imagem de Nossa Senhora de Copacabana, uma Madona da Bolívia que viera dar à praia no século XVII, e o forte militar na sua outra extremidade.

Um português visionário magicou que ali, pelo crescimento natural da capital do Império, seria um sítio com muito futuro. Instalou, então, uma casa de saúde. Foi o começo da povoação de uma das praias mais badaladas do mundo, cantada por músicos e poetas - a princesinha do mar.

Médico de renome, Figueiredo de Magalhães possuía uma bela chácara compreendida entre a atual rua Siqueira Campos  e a praça Serzedelo Correia .

Ele se notabilizou por receitar aos clientes o ar puro de Copacabana de então, convencido das qualidades do lugar para o repouso e a convalescença.

Francisco Bento Alexandre de Figueiredo Magalhães era conde e médico. Como conde comprou terras no afastado e desértico bairro de Copacabana, loteou-as e colocou-as à venda.

Foi o núcleo inicial do que viria a ser dentro de pouco tempo um dos mais famosos e populosos bairros do Rio de Janeiro.

Como médico, costumava aconselhar seus pacientes a respirar os ares marítimos do bairro, que faziam bem à saúde.

Para facilitar o deslocamento dos doentes criou, em 1904, uma linha de diligências que os conduzia à clínica. Com isso tudo, teve grandes lucros e ainda emprestou seu nome a uma das principais artérias do bairro, a rua Figueiredo Magalhães – começa na avenida Atlântica  e termina na praça Vereador Rocha Leão , importante rua residencial e comercial do bairro de Copacabana, Rio de Janeiro.

UMA LONGA HISTÓRIA

Antes de ser conde, Francisco Bento foi visconde de Gomiei (nome da sua terra natal - 1838 - Rio 1895 -, no distrito de Viseu), que lhe foi concedido em 1894 por D. Carlos I. Formado pela escola médico-cirúrgica do Porto, ingressou na marinha como médico. Foi enviado à Índia para combater uma epidemia de cólera. Lá acabou por se transformar em professor de matemática da escola militar de Goa. Da Índia foi voluntariamente para Cabo Verde combater nova epidemia. Dessa vez de febre amarela.

Transfere-se para o Rio de Janeiro e, em 1871, pediu demissão da função de médico da Armada, mas manteve suas honras e o posto. Mais tarde,Figueiredo Magalhães foi nomeado diretor do Hospital da Beneficência Portuguesa. Era dono da citada clínica particular, que atendia portugueses e marinheiros pobres.

Francisco Bento conseguiu junto ao governo do Chile que o nomeasse professor de Histologia daquele país. Mas os alunos receberam-no mal e ele, após um único dia de aula, pediu demissão e voltou para o Brasil. Além da sua formatura pela escola do Porto, era médico pela universidade da Bahia, pela universidade de Santiago do Chile e a de Bruxelas.

O conde Figueiredo Magalhães foi ainda médico honorário da Câmara Real e colecionou diversos títulos, entre eles o de oficial da Ordem da Torre e Espadacavaleiro de Cristo e comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, e da Rosa. Foi também jornalista, sustentando várias polémicas nos jornais cariocas, logo se revelando como a grande figura da cultura portuguesa no meio da colónia lusitana do Rio, que nesta época superava o número de 100 mil residentes.

Autor dos livros: Estudo Médico-legal: O Crime do Botafogo – Um caso de Loucura Histérica e Camões e os Portugueses do Brasil (Reparos Críticos) este último de grande repercussão no seu lançamento, em 1880.

CENTENÁRIO DE CAMÕES

Festejava-se neste mesmo ano, o III Centenário de Luís de Camões e a colónia estava em brasa, todos querendo participar da efeméride. Dr. Figueiredo Magalhães achava-se com o direito de ser o orador oficial da solenidade.

Porém Teófilo Braga, presidente do Gabinete Português de Leitura e escritor de fama, escolheu para o evento o nome do diplomata pernambucano Joaquim Nabuco, que anos antes havia escrito um livro sobre o Poeta MaiorFigueiredo Magalhães não gostou nada da escolha e rodou a baiana. Em represália escreveu o livro supracitado, hoje raridade bibliográfica, do qual irei ocupar-me.

Exórdio. Proémio. Prefácio. Introdução. Prólogo. Preâmbulo. Prelúdio. Prefação, começava assim, para mostrar erudição, o livro Camões e os Portugueses do Brasil.

Desconsideração cuspida na colónia portuguesa, afirmou magoado o Dr. Magalhães. E disse mais: Li que a directoria do Gabinete Português de Leitura convidara o Ex.mo. Sr. Joaquim Nabuco  para orador das festas com que ela tenciona celebrar o centenário de Camões, e admirei a força do piparote dado assim no inepto nariz de toda a colónia portuguesa... Eu protesto, em nome do meu patriotismo, e os assassinos dos créditos pátrios respondem que não haja um português decente para ir cumprimentar Camões no seu centenário... A colónia inteira é refugada a juízo de quem declina da respectiva competência, e esta gente ruim aceita muda e queda a marca da sua degradante depreciação!  E por aí vai.

Nabuco  havia escrito o livro Camões e os Lusíadas, daí o convite que lhe foi feito pelo GPL. Figueiredo Magalhães, como já foi dito, não gostou . Achava que Nabuco   não sabia falar português corretamente, mas um patuá: o dialecto nabuqueano... A carnavalesca enfarruscada que o Sr. Nabuco  deu na cara de Camões. E continuou com a sua diatribe: O Sr. Nabuco , arvorado em simples general de guerrilhas, falou dos amigos portugueses como Napoleão não pôde falar do inimigo Portugal, e disse de Camões o que Mafoma não disse do toucinho.

...O Sr. Nabuco  fez no seu discurso alterações fónicas, morfológicas e sintácticas, que abalaram profundamente as células glóticas do organismo gramatical da língua portuguesa, e que desfiguraram o característico da sua fisionomia real... São esbeltas e robustas as formas do dialecto nabuqueano... para fugir dos aleijões tupi, parece descambar para a corcunda guarani.

Não parou por aí: «O Sr. Nabuco  fabricou uma espécie de bolacha d’água e sal para o fornecimento de ceia festival, onde Camões chuchou o beijo iscariótico dado pelo apóstolo que o vendeu a dez tostões. E com chave de ouro, concluiu: A colónia portuguesa tem muitos indivíduos acima da altura marcada pelo Sr. Nabuco  na craveira literária do assunto; o Brasil tem dúzias de homens de letras muitíssimo mais elevados e maduros pelo sol da literatura clássica do que o verde e aliás talentoso orador escolhido...

Faleceu em 1895

Depoimentos

Olá Bom Dia: Estou a enviar-vos este mail porque não pude ficar indiferente à história que aqui contam sobre o Visconde Figueiredo de Magalhães, pois eu sou bisneta deste senhor de que aqui se fala meu Pai era neto pois era filho da Sra. DªLaura filha do Visconde e da Condessa que tinha o sobrenome austriaco Rueff, pois eu gostaria de saber mais acerca de meu avô de quem sei muito pouco, pois meu Pai já Faleceu 23 anos tinha 7 anos de idade e a irmã também Julieta Rueff só resta um irmão mais velho que não gosta de falar dos seus antepassados, por pedia o especial favor caso saibam mais sobre meu Avô Visconde Figueiredo Magalhães me enviem, eu até gostava muito de saber como poderei adquirir os livros que ele escreveu pois não tenho conhecimento onde os possa adquirir.
— Carla Rueff

Rua Figueiredo Magalhães entre Avenida Copacabana e Barata Ribeiro

Já conhecia este texto do jornalista citado. Mas não tive, ainda, oportunidade de procurar o seu contacto. Fá-lo-hei oportunamente, para o felicitar pela pesquisa que efectuou sobre uma parte da vida de meu bisavô. Posso revelar que casou no Rio de Janeiro com minha Bisavó Giulietta Rueff, emigrante italiana (Milão), que rumou à Argentina, com 16 anos de idade, onde terá falecido sua mãe Judith Spadacini. Seguiu, então, para o Rio de Janeiro, acompanhada de seu pai Innocêncio Rueff, austríaco, nascido em Viena. Era cantora lírica e tocava piano.Segundo reza a história verbal da família, meu bisavô ter-se-á apaixonado, quando assistia a um dos concertos de ópera em que minha bisavó actuou. Tiveram 5 filhos, 4 dos quais faleceram na infância. Sobreviveu à idade adulta minha avó materna Laura Figueiredo de Magalhães, nascida em Lisboa, onde concluíu o Curso do Magistério Primário e o Curso de Piano no Conservatório Nacional de Música. Seguiu a carreira de professora primária em aldeias do distrito de Viseu, por habitar em Gumiei, terra natal de seu pai, meu famigerado bisavô Francisco Bento Alexandre Figueiredo de Magalhães, com a mãe Giulietta Rueff e o avô Innocêncio Rueff, que se encontra sepultado nessa aldeia. Minha avó casou em Carvalhais, concelho de S. Pedro do Sul, distrito de Viseu, onde faleceu, bem como sua mãe. Teve 3 filhos José (vivo, com 79 anos), Maria Julieta, minha mãe (falecida) e João (falecido) Rueff de Magalhães Tavares. Os 3 netos de meu bisavô tiveram uma prole de 13 filhos (bisnetos), todos vivos(onde me incluo). Destes já existem 21 trinetos e 1 tetraneta. Nunca soubemos a real causa da morte de meu bisavô, nem mesmo se deixou outra descendência aí no Brasil ou bens.
— Maria do Carmo Rueff de Saro Negrão Mendonça Lopes

A Rua Figueiredo Magalhães esquina com Avenida Atlântica

A Rua Figueiredo Magalhães é uma das principais portas de saída de Copacabana em direção a Botafogo, via cemitério de São João Batista.

Pesquise e descubra mais!

Custom Search