Custom Search

Rua Félix Pacheco, no Leblon, Rio de Janeiro

A Rua Felix Pacheco começa na Avenida Visconde de Albuquerque e termina no cruzamento das ruas Codajás com Embaixador Graça Aranha

Tuite para os seus amigos: A Rua Fadel Fadel fica localizada na região da Selva de Pedra no Leblon!

Rua Félix Pacheco no Leblon

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.98040221, -43.22727805)

CEP da Rua Félix Pacheco, Leblon, Rio de Janeiro:

  • 22450-080 Rua Félix Pacheco

#Hashtag:

  • #ruafelixpacheco

Vista da Rua Félix Pacheco no Leblon

A Lista e Reserva de Hotel e aluguel por temporada na região da Rua Félix Pacheco

Aqui estão alguns dos hotéis que selecionamos para você aqui na região da Rua Félix Pacheco  seu hotel no Leblon ou Ipanema pela localização ou consulte a Lista de Hotéis clicando aqui

  • Nome do Estabelecimento
  • Endereço
  • Total de Vagas

Quem foi o Félix Pacheco que virou nome de rua no Leblon?

José Félix Alves Pacheco

O introdutor da Datiloscopia no Brasil foi José Félix Alves Pacheco, nascido no dia 02 de agosto de 1879, em Teresina, Estado do Piauí, notável jornalista, poeta, escritor e homem público, foi Ministro de Estado, apesar de ter sido o introdutor do Sistema de Identificação Humana criado por Juan Vucetich, ficou mais conhecido como jornalista e literato.

Félix Pacheco foi o único representante do grupo simbolista, que gravitava ao redor do poeta negro Cruz e Souza, que conseguiu chegar à Academia Brasileira de Letras. Aos 18 anos de idade, iniciou-se no jornalismo, fez parte da redação do jornal "O Combate". Em 1913, assumiu o cargo de diretor-redator-chefe do Jornal do Commércio. Ingressou na carreira política, e como político, exerceu o mandato de Deputado Federal pelo Estado do Piauí durante quatro legislaturas, sendo posteriormente, eleito Senador da República em 1921.

Foi nomeado Ministro das Relações Exteriores do Brasil, no Governo doDr. Arthur Bernardes.

Chicotadas, versos satíricos, foi o seu primeiro livro publicado, seguindo-se outras obras; Via Cruéis, Mors Amor, Tu Só Tu..., Poesias, Lírios Brancos, Descendo a Montanha e livros técnicos de Identificação como O Problema da Identificação, A Reforma do Serviço Antropométrico, além de urna série de apostilas e artigos publicados nos jornais. No início da carreira literária, sofreu severas críticas por parte do jornalista João do Rio, que o atacava impetuosamente em seus trabalhos. O jornalista da Regência e Via Cruéis, no inquérito O Momento Literário da Gazeta de Notícias, em 1904, era entrevistado pelo ferrenho adversário, o mesmo João do Rio.

Félix Pacheco, foi um dos melhores e apaixonados dos poemas franceses, que na época, influenciava a geração ao simbolista que preferia as fórmulas abstrusas e enigmáticas, principalmente Baudalaire. Este figurava no título de três de seus ensaios: Baudalaire e os Milagres do Poder da Imaginação, Paul Valéry e o Monumento a Baudalaire em Paris e O Mar através de Baudelaire e Valéry.

Em 11 de maio de 1912, foi eleito com 19 votos para ocupar a cadeira de Araripe Junior, na Academia Brasileira de Letras. No dia 14 de agosto de 1913, aos 34 anos de idade, em seu discurso de posse na Academia, prestou uma homenagem ao poeta negro Cruz e Souza - poeta dos Bróquios, juntamente com elogios ao antecessor Araripe Junior. Deu-lhe as boas-vindas regimental, o acadêmico Souza Bandeira, que numa discurso empolgante, lembrava a iniciação literária do novo acadêmico no grupo simbolista, que movia guerra à nascente Academia. Lembrou ainda, na sua fala, que Félix Pacheco, como diretor do Gabinete de Identificação da Polícia Civil, se tornara o maior propagandista da datiloscopia, promovendo intensa divulgação pelos jornais, irradiando para todo o país, o método criado por Juan Vucetich, participando de inúmeros congressos internacionais, a fim de estudar a implantação do novo sistema de identificação lançado naArgentina.

Foi por iniciativa de Félix Pacheco, que o Presidente da República, Dr. Rodrigues Alves, que em 05 de fevereiro de 1903, através do Decreto 4.764, introduziu a Datiloscopia como método mais simples e mais perfeito para identificar criminosos, cadáveres, pessoas desconhecidas e também pessoas honestas, reunindo os dados de qualificação, dados morfológicos - exame descritivo, sinais particulares. Todos estes dados serão subordinados à classificação dactiloscópica, de acordo com o Sistema Vucetich, considerando-se, para todos os efeitos, a impressão digital como prova mais concludente e positiva da identidade do indivíduo, dando-se-lhe prioridade ao conjunto dos outros dados que servirão para complementação da individualidade.

INSTITUTO DE IDENTIFICAÇÃO FÉLIX PACHECO

O INSTITUTO DE IDENTIFICAÇÃO FÉLIX PACHECO é o Órgão Técnico da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, PCERJ, cuja finalidade é planejar, dirigir e executar atividades inerentes aos dados da criminalidade no Estado, informando-os às autoridades policiais e judiciárias.

Criado como Gabinete de Identificação e Estatística da Polícia Civil do Distrito Federal em 29 de dezembro de 1902, passou a utilizar a atual nomenclatura em 1941, em homenagem ao introdutor da Datiloscopia no Brasil - José Félix Alves Pacheco.

Sua função primordial é manter e atualizar o Arquivo Criminal do Estado, sendo assim responsável pela confecção e emissão de Folhas de Antecedentes Criminais, Atestado de Antecedentes, Laudos de Perícia Papiloscópica, Certidão de Vida Privada e outros documentos relativos à defesa da cidadania.

Para o desenvolvimento deste trabalho, o Instituto mantém o segundo maior acervo de documentos de identificação do Brasil, operando com um quantitativo superior a 13 milhões de Registros Gerais, 13 milhões de Folhas de Registro Civil, 15 milhões de Individuais Datiloscópicas, cerca de 8 milhões de Cartões Nominais e 1 milhão de Prontuários Criminais.
 

Fonte: INSTITUTO DE IDENTIFICAÇÃO FÉLIX PACHECO (IFP)

A Rua Félix Pacheco fica no Alto Leblon.

Pesquise e descubra mais!

Custom Search