Custom Search

Rua Alberto Faria, no Leblon, Rio de Janeiro

A Rua Alberto Faria é uma rua sem saída e começa na Rua Sambaíba

Tuite para os seus amigos: A Alberto Faria começa na Rua Sambaiba no Leblon!

GeoLocalização:

Latitude, Longitude : (-22.9866299, -43.23315130000003)

 CEP da Rua Alberto de Faria, Leblon, Rio de Janeiro:

  • 22450-170 Rua Alberto de Faria

#Hashtag:

  • #ruaalbertodefaria

Rua Alberto de Faria, Leblon

Restaurantes na região da Rua Alberto de Faria

A Lista e Reserva de Hotel e aluguel por temporada na região da Rua Alberto de Faria

Aqui estão alguns dos hotéis que selecionamos para você aqui na região da Rua Alberto de Faria  seu hotel no Leblon ou Ipanema pela localização ou consulte a Lista de Hotéis clicando aqui

Rua Alberto de Faria, no Alto Leblon

Quem foi o Alberto de Faria que virou nome de rua no Leblon?

Alberto Faria, jornalista, professor, crítico, folclorista e historiador, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 19 de outubro de 1869, e faleceu em Paquetá, cidade do Rio de Janeiro, em 8 de setembro de 1925. Eleito em 10 de outubro de 1918 para a Cadeira n. 18, na sucessão do Barão Homem de Melo, foi recebido em 6 de agosto de 1919 pelo acadêmico Mário de Alencar.

Era filho do comerciante português José Lopes Faria e de D. Leocádia Lopes Faria. Fez o primário e o secundário no interior do Estado de São Paulo.

Aos 12 anos, redigiu o jornalzinho O Arauto e, aos 14, fundou, na cidade de São Carlos (SP), A Alvorada. Realizou seus estudos no interior de São Paulo. Em 1889, fixou-se em Campinas (SP), onde exerceu o jornalismo. Fundou O Dia, em 1894, e escreveu para o Correio de Campinas, tornando-se seu diretor entre 1895 e 1896. Em 1897, lançou a Cidade de Campinas, por ele dirigida até 1904. Obteve grande êxito a seção "Ferros velhos", sob o pseudônimo de Adelino. Em 1901, prestou concurso para a cadeira de Literatura, no Ginásio de Campinas, concorrendo com Coelho Neto e Batista Pereira, e logrou o primeiro lugar.

Além de professor de literatura e jornalista, destacou-se como crítico e historiador de cunho erudito (scholarship), ao lançar mão dos processos de investigação e análise aplicados à literatura, para a decifração de problemas intrincados de autoria ou datação de obras. Polemista, manteve nos diversos jornais em que colaborou debates e discussões com escritores da época, tratando de temas de alto interesse para a cultura histórico-literária.

Alberto de Faria

Orientou seus estudos para a crítica externa e interna das obras e da história literária. Foi um dos primeiros críticos brasileiros a se preocupar com o estabelecimento dos textos ou da autoria, a descoberta de influências, datas e fontes, e com a análise de formas e temas. Os seus estudos sobre o problema da autoria das Cartas Chilenas destacam-se entre os que mais luzes trouxeram à questão. Pseudônimos: Adélio, Adelino e Marcos Tuim.

Obras: Cartas chilenas, crítica (1913); Aérides, crítica e folclore (1918); Acendalhas. Literatura e folclore (1920); Discurso de recepção, em Discursos acadêmicos, vol. IV; numerosos trabalhos na Revista da ABL; Almanaque Garnier, Revista do Brasil, Revista de Língua Portuguesa, Revista do Arquivo Mineiro.

Alberto de Faria, às vezes confundido com o outro acadêmico - Alberto Faria - professor e pesquisador de história, teve como genros dois notáveis expoentes da cultura brasileira: Afrânio Peixoto e Alceu Amoroso Lima (Tristão de Ataíde).

Segundo ocupante da Cadeira 39, eleito em 2 de agosto de 1928, na sucessão de Oliveira Lima e recebido em 12 de dezembro de 1928 pelo Acadêmico Hélio Lobo. Seu sucessor foi Rocha Pombo, que não chegou a tomar posse e foi sucedido por Rodolfo Garcia.

Nasceu Alberto de Faria na cidade de Campos, a 5 de agosto de 1865. Faleceu na capital do país em 29 de novembro de 1931.

Formou-se em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo e destacou-se como líder abolicionista e republicano. Formado, fixou-se em Campinas onde teve banca de advogado com sucesso. Vindo a residir no Rio, prosseguiu na carreira de advogado e foi diretor de empresas comerciais e industriais.

Como resultado de intensas pesquisas publicou a primeira biografia de Mauá – Mauá (1926).

Espírito forte, manteve várias polêmicas.

Sua residência na Praia do Flamengo acolhia escritores e intelectuais estrangeiros que visitavam o Brasil.

Antes do Mauá, publicara Alberto de Faria o livro Política Fluminense.

Seu filho, Octávio de Faria, foi um romancista que, a exemplo do pai, também pertenceu à Academia Brasileira de Letras.

MAUÁ ;
By Alberto de Faria
A Sombra de Deus, Romance
By Octavio de Faria

Na Academia Brasileira de Letras proferiu Alberto de Faria uma notável conferência sobre o Barão do Rio Branco.
 

fonte: biblio.com.br

A Rua Alberto de Faria começa na Rua Sambaíba no Leblon e é uma rua sem saída.

Pesquise e descubra mais!

Custom Search