Legalização das apostas esportivas e abertura de cassinos são propostas para o Rio de Janeiro

shutterstock-cassino.jpg

O Rio de Janeiro já foi um ambiente promissor para os jogos de apostas esportivas no Brasil. Artistas e apostadores de todo o mundo frequentavam o aclamado Cassino Atlântico em Copacabana. Os desembarques ocorriam nos transatlânticos na baía de Guanabara rumo aos cassinos mais badalados do estado, como o da Urca.

O governo de Getúlio Vargas era a favor da expansão dos cassinos no país com objetivo de fomentar a economia. Durante o período da 2ª Guerra Mundial, com os riscos apresentados pelas viagens oceânicas, os cassinos deram espaço para as apresentações de artistas nacionais da época, como Carmem Miranda, frequentadora assídua dos palcos nessa época.

Por volta de 1944 na cidade de Petrópolis, foi inaugurado o Palácio Quitandinha, considerado o maior cassino da América Latina. O Brasil foi um disseminador cultural e econômico da indústria de jogos. Foram construídos cerca de 70 cassinos na cidade que geraram empregos para mais de 50 mil trabalhadores.

Por que os jogos de azar foram proibidos no país?

Após a posse de Eurico Gaspar Dutra, em janeiro de 1946, foi adotada uma postura polêmica e conservadora quanto aos jogos de cassino no país. Houve rejeição por grandes empresários do setor que se sentiram traídos pela decisão do atual presidente.

Na época, cogitava-se que essa decisão foi influenciada pela esposa de Dutra, de nome "Dona Santinha". A igreja católica que obtinha grande influência no período passou a rejeitar o ambiente dos cassinos, considerando-os indecentes e fora do contexto das "famílias tradicionais".

Em nota, o ex-presidente Dutra justificou sua decisão sob o ponto de que a moral jurídica e do povo brasileiro contrariava a prática e a exploração dos jogos de azar.

Por questões de comportamento e saúde mental, como a forte tendência ao vício e descontrole, muitos congressistas foram a favor da medida de proibição das apostas e a imprensa teve um papel importante e argumentativo contra a legalização dos jogos de cassino no país.

Legalização das apostas esportivas em frequente discussão

Nos últimos anos o debate sobre a legalização das apostas esportivas e os benefícios econômicos gerados pela prática está em frenética discussão no congresso, principalmente pelo presidente da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj), Sérgio Ricardo de Almeida.

A proposta de Almeida é instalar cerca de oito cassinos na cidade carioca. O intuito é fortalecer a economia movimentando cerca de 80 bilhões em receita. O mercado promissor atrai empresários de cassinos internacionais à cidade do Rio de Janeiro para conhecer as estruturas e checar as oportunidades.

Encantos mil: Rio está entre os estados preferidos dos turistas

De acordo com dados de 2018 da Polícia Federal e do Ministério do Turismo, o Rio de Janeiro é o segundo estado do Brasil que mais atrai turistas estrangeiros, ficando atrás somente de São Paulo. Afinal, a cidade é rica em atrações e privilegiada por belezas naturais, além de estampar a diversidade que existe no país, dos seus povos, etnias e paisagens da exuberante mata Atlântica.

A queima de fogos em Copacabana no réveillon é uma atração no Rio reconhecida mundialmente. Em 2019 a cidade atraiu 2,8 milhões de pessoas que foram contemplar dez balsas de fogos com efeitos em 3D. Teve até mensagem no Cristo Redentor em libras.

Com ambientes riquíssimos culturalmente, desperta a curiosidade dos estrangeiros que desejam explorar cada canto, desde os requintes e belezas de Copacabana, Ipanema e Gávea, a forte expressão cultural, histórica, política, artística e empresarial na formação de algumas comunidades gigantes, como a Rocinha, morro do Alemão e tantas outras.

O carnaval mais badalado do Brasil fica na cidade do Rio de Janeiro. Além do já mundialmente conhecido desfile das maiores escolas de samba na Marquês de Sapucaí, marchinhas percorrem os principais bairros e toda cidade festeja durante o mês de fevereiro. Copacabana, Ipanema e Leblon ficam lotados durante este período, é possível notar a diversidade de públicos presentes nas ruas e estabelecimentos.

Cassinos irão aproveitar o investimento em estruturas já realizadas

As Olímpiadas no Rio e a Copa do Mundo no Brasil foram responsáveis por construções no estado que atualmente são pouco exploradas, algumas até vazias. A cidade Olímpica é um bom exemplo. O Porto Maravilha e Barra da Tijuca são áreas que foram construídas especialmente para os jogos Olímpicos e necessitam de utilidade para justificar o alto investimento.

Quando falamos em jogos e apostas esportivas, os lucros gerados pela legalização da atividade não se restringem somente aos cassinos. Todo o estado, inclusive os comércios locais, hotéis e os centros comerciais recebem movimentação financeira, inclusive a ascensão ao turismo com a chegada dos cassinos.

Os brasileiros são jogadores ativos em apostas esportivas e jogos de cassino online, portanto a falta de legalização não impede a prática, somente impede que esse faturamento retorne aos cofres e receitas nacionais.

Um exemplo de crescimento econômico ocorrido a partir das apostas é a cidade de Las Vegas. Os cassinos reconhecidos por sua estrutura e conforto são cenários em grandes eventos e convenções. As ocupações ocorrem em 97% dos hotéis.

Setores como a construção civil – fortemente afetada pela crise econômica - tecnologia da informação e hotelaria são apenas alguns exemplos de geração de novos empregos e movimentação financeira proporcionadas pela possível legalização das apostas e cassinos no país.