RUGBY EM COPACABANA

Para muita gente pode parecer Futebol Americano, mas as regras são bem distintas, e claro, bem mais interessante. Ao contrário do que possa parecer o Rugby chegou no Brasil junto com o futebol, e acreditava-se na época que o primeiro iria crescer mais que o segundo. É bem verdade que ninguém aqui gostaria de saber mais de Futebol, até porque o Brasileirão não começou lá muito bem para os cariocas e ninguém mais quer saber do desastre canarinho na Copa. Muito já se falou sobre isso e não vamos mais atormentar o caro leitor.
Guanabara x UFF: scrum!
Um belo dia alguns amigos resolveram formar um time de Rugby. A pretensão era formar um time oficial, com quinze jogadores, mais reservas e toda a infra estrutura que um pequeno clube amador poderia prover. O tal time já fez um ano, jogou os principais torneios na cidade e jogou o estadual. Ainda não conseguiram grandes pontuações, mas mostraram muita garra e competitividade. Continuam firmes e fortes, resistindo as crises, contusões e alguns jogadores literalmente quebrados. Nada tira o ânimo dessa turma - espero!
E o que isto tem a haver com Copacabana? No começo, o Guanabara Rugby, este é o nome do time, treinava todo sábado de manhã na Quinta da Boa Vista, na grama, como deve ser o jogo profissional. Acontece que muita gente deixava de ir porque era muito cedo, muitos tinham aula, ou trabalhavam e havia uma previsão de se jogar brevemente em um torneio que seria na praia.
- A gente precisa fazer um treino na areia, galera!
- Mas quando é o torneio?
- Em dezembro...
- Onde vamos treinar?
- Botafogo não rola.
- Ipanema longe.
- Copacabana?
- Só se for à noite, umas sete da noite.
- Impossível para mim.
- É para mim também.
- Oito?
- Segunda e quarta, fechado?
- Peraí, então temos uns quatro treinos até lá.
- Sim, e?
- E o treino de sábado?
- Continua, pombas!
- Fudeu...
- Patroa?
- Uma vez por semana ela até entende, mas três.
- Vamos tentar fazer o máximo gente, afinal de contas não somos um time virtual!
- É, fogo de palha é o c%#$@!!!
- Isso!
Alguns meses depois os treinos na Quinta da Boa Vista ficaram para trás. Acabaram ficando na praia de Copacabana mesmo nas terças e quintas, se não chovesse. Depois daquele torneio a turma percebeu o que era o esporte de verdade. Muita gente entrou no time, muitos saíram, alguns aparecem de vez em quando mas ainda estão ali.
Se notar entre a Figueiredo Magalhãese e Siqueira Campos um grupo correndo na areia com uma bola oval pode ter certeza de uma coisa, é o Guanabara Rugby. A turma chega por volta das oito e fica até as dez. É perto do metrô e o caminho de volta oferece algumas oportunidades que qualquer boêmio e atleta deste esporte adora: cerveja, comida e farra.

Muitos são jovens, alguns já passam dos trinta, o capitão já é pai, muitos estudam, uns dois ainda batalham por emprego e o resto está na luta, como todo carioca nesta cidade que luta para continuar maravilhosa.


Poucos ficaram sabendo, mas em Abril ocorreu uma etapa do circuito carioca de Rugby, na altura da Siqueira Campos. Etapa patrocinada pelo time em questão. Os principais times do Rio compareceram e foi uma das etapas mais bem organizadas de toda competição.

É claro que a comemoração foi pelas redondezas também, no Café Benfica.
Isso tudo para mostrar que Copacabana não é só o berço da boêmia carioca, mas do esporte amador, pouco conhecido, por enquanto.

Mais informações sobre o Guanabara Rugby em http://grfc.blogspot.com e atualizações diárias do time em http://www.fotolog.com/guanabara_rugby.

2006-07-15 02:41:55