João de Barro, Braguinha de Copacabana, Rio de Janeiro 

Poucos artistas brasileiros são tão ligados a Copacabana como Braguinha, que foi o autor do Hino de Amor ao bairro "Copacabana"

Tuite para os seus seguidores: João de Barro, o Braguinha foi um dos maiores compositores brasileiros e criador do clássico Copacabana

João de Barro, o Braguinha na inauguração da sua estátua na Avenida Princesa Isabel

João de Barro, o Braguinha na inauguração da sua estátua na Avenida Princesa Isabel

Braguinha na Avenida Atlântica

Braguinha na Avenida Atlântica

#Hashtag:


  • #joaodebarro
  • #braguinha

 

Braguinha na Praia de Copcabana

Braguinha na Praia de Copcabana

Braguinha em Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil

Carlos Alberto Ferreira Braga, nascido no bairro da Gávea, no Rio de Janeiro, sob o signo de Áries, em 29 de março de 1907, foi o primogênito de um casal de classe média :Jerônimo José Ferreira Braga Neto e Carmen Beirão Ferreira Braga.

Residente na Gávea, tendo também Botafogo como cenário de sua infância, passou sua adolescência em Vila Isabel, onde seu pai foi diretor da Fábrica de Tecidos Confiança.


Cursou o ginasial no Colégio Batista, onde conheceu Henrique Brito, violonista, que lá foi estudar com uma bolsa de estudos que ganhara do então governador de sua terra natal (RN), tamanho eram seus dotes de instrumentista. Essa amizade despertou em Braguinha o interesse e a vocação pela música, fazendo com que ele, aos 16 anos, compusesse sua primeira obra (letra e música), de nome Vestidinho Encarnado.


Um pequeno João de Barro

Um pequeno João de Barro

Foi essa mesma paixão pela música que acabou por reunir colegas de colégio e amigos, surgindo em meados de 1928 um grupo chamado Flor do Tempo. Formado basicamente por Braguinha, Henrique Brito, Alvinho, Noel Rosa e Almirante, apresentavam-se em casas de amigos e clubes.

Impulsionados por Almirante, em 1929, transformariam-se no Bando dos Tangarás, gravando 19 músicas, sendo 15 de autoria de Braguinha.

Chamado de Carlinhos na família e de Braguinha pelos amigos, foi com esse grupo que surgiu João de Barro. Estudante de arquitetura, inspirou-se no pássaro arquiteto para criar o pseudônimo, uma vez que seu pai não queria o nome de família envolvido com música popular, devido aos preconceitos que marcavam essa época.

Bando dos Tangarás

Bando dos Tangarás

Bando dos Tangarás desfez-se em 1933, mas foi durante sua existência que sua carreira começou a se afirmar. Braguinha fez parte da geração que cantou e encantou a chamada "Era de Ouro" do carnaval brasileiro (1930/1942).

Em 1934, o então João de Barro conheceu duas pessoas que marcariam sua carreira: Alberto Ribeiro, seu maior parceiro e Wallace Downey, um americano que o conduziu a carreira do cinema e da indústria de discos.

Uma das facetas pouco divulgadas de Braguinha foi sua participação como roteirista e assistente de direção em filmes da Cinédia. Juntamente com Alberto Ribeiro, escreveu argumentos e composições para a trilha sonora de filmes como Alô, Alô, Brasil eEstudantes, cuja personagem principal Mimi foi estrelada por Carmem Miranda.

Atuou como diretor artístico da Columbia, no Rio de Janeiro, participando da escolha de repertório e formação de elenco, componentes fundamentais para o sucesso que a gravadora viria a ter no mercado fonográfico.

No cenário da música popular brasileira, continuou compondo sucessos, destacando-se o inesquecível Carinhoso (1937, com Pixinguinha), um de seus maiores sucessos internacionais, e Sonhos Azuis (1936, com Alberto Ribeiro).

Em 28 de janeiro de 1938, casou-se com Astréa Rabelo Cantolino, indo morar na Tijuca.

Ano marcante em sua vida, teve neste carnaval nada menos que 3 marchas que se tornaram clássicos até hoje executados: Pastorinhas (com Noel Rosa), Touradas em Madri e Yes, nós temos bananas (com Alberto Ribeiro).

Casamento de Braguinha com Astréa Rabelo Cantolino

Casamento de Braguinha com Astréa Rabelo Cantolino

Também em 1938, foi um dos responsáveis pela dublagem brasileira de Branca de Neve e os sete anões, de Walt Disney, o primeiro desenho animado em longa metragem da história do cinema. Também participou das versões brasileiras de Pinóquio (1940), Dumbo (1941), Bambi (1942), dentre muitos outros.

Certamente sua esposa Astréa lhe trouxe sorte, além de uma alegria ímpar: em 02 de julho de 1939, nasceu Maria Cecília, sua única filha.

Branca de Neve e os Sete Anões

Branca de Neve e os Sete Anões

Apaixonado que ficou por estórias infantis, escreveu e adaptou, também musicando, diversas historinhas como Os três porquinhos, Festa no céu, Chapeuzinho Vermelho, na série clássica Disquinho e tantas quantas pudermos lembrar em nossa infância.

Em 1939, comporia Noites de Junho (com Alberto Ribeiro), gravada por Dalva de Oliveira, que seria um dos seus grandes sucessos no gênero junino.

Sucederam-se inúmeras composições de carnaval, tendo em 1941, com parceria de Alberto Ribeiro, feito a versão de Valsa da Despedida, tema do filme A ponte de Waterloo.

Aliás, como autor de versões, Braguinha brilhou em diversas canções com parceiros internacionais como Charles Chaplin em Luzes da Ribalta e Sorri, atualmente regravada por Djavan, e também tema do anúncio de uma grande rede de lojas carioca, em 1996.

Extinta a Columbia no Brasil, em 1943, nasceu a Continental, também tendo Braguinha na direção artística.

Transient

Um de seus maiores sucessos internacionais seria composto em 1944: Copacabana, gravada por Dick Farney, com orquestração de Radamés Gnattali, em 1946.

Foi o primeiro grande sucesso da Continental, e é a segunda composição mais gravada do repertório de Braguinha, tendo inúmeros intérpretes em diversas regravações.

Em 1947, comporia outro sucesso traduzindo seu amor carioca: Fim de semana em Paquetá, também em parceria com Alberto Ribeiro.

Na sua linha carnavalesca, viriam as composições Anda Luzia (1947), Tem gato na tuba(1948), A mulata é a tal (1948) e Chiquita Bacana (1949).

Braguinha, em 1950, seria um dos fundadores da Todamérica, gravadora e editora musical, que em 1960 passaria apenas a atuar como editora.

Sua filha Maria Cecília casaria em 1959, com o psiquiatra Jadyr de Araujo Góes, proporcionando-lhe então mais emoções, traduzidas nos seus 3 netos: Carlos Alberto, Maria Luiza e Maria Claudia.

Teve inicio, em fins de 1960, o declínio da canção carnavalesca tradicional. Ainda assim,Braguinha lançaria o sucesso Garota de Saint-Tropez (1962), tendo Jota Junior como parceiro.

Em 1979, Gal Costa regravaria Balancê, que o colocaria novamente em destaque no já novo cenário da MPB. Em 1985, em parceira com César Costa Filho, comporiaVagalume, vencedora de concurso musical da TV Manchete.

Teve dois espetáculos montados em sua homenagem: O Rio amanheceu cantando, naboite Vivará, em 1975, e Viva Braguinha, na Sala Sidney Miller, em 1983.

Estátua de Braguinha em Copacabana

Estátua de Braguinha em Copacabana

Teve sua grande consagração carnavalesca em 1984, ano da inauguração do Sambódromo, desfilando como tema da Mangueira, escola campeã deste mesmo ano com o samba enredo Yes, nós temos Braguinha. O nome deste samba se transformou no título de sua primeira biografia, excelente trabalho de Jairo Severiano. 

Recebeu o Prêmio Shell para Música Brasileira, no Teatro Municipal, em 1985.

Em 1997, na passagem dos seus 90 anos de vida, recebeu inúmeras e grandiosas homenagens, entre elas um CD da Revivivendo-Todamérica, Carnaval Sua História Sua Glória, Vol. 19, RVCD-113.

João de Barro, o Braguinha, recebeu uma homenagem com a sua estátua em Copacabana que tem a localização mais privilegiada: logo na saída do Túnel Engenheiro Coelho Cintra/Túnel Novo, dando as boas vindas a quem chega em Copacabana vindo de Botafogo. A desenhada por Otto Dumovich, que começou fazendo quadrinhos na Editora Vecchi, depois fez storyboard no cinema para produções como Brincando nos Campos do Senhor.

Braguinha, o João de Barro, morreu num domingo em 24/12/2006, no Rio de Janeiro, aos 99 anos. Segundo a assessoria do hospital carioca Pró-Cardíaco, o músico teve falência múltipla dos órgãos, causada por uma infecção generalizada de origem urinária, por volta das 12h deste domingo. Ele havia sido internado sábado à noite, após passar mal. A Mangueira pretendia prestar uma nova homenagem a Braguinha em 2007, quando seria comemorado o centenário de seu nascimento. A escola lamentou a morte do compositor.

CLÁSSICOS (meio de ano)

Título

Parceiros

1ª gravação

Primavera no Rio (marcha) - 1934

Sonhos azuis (valsa) Alberto Ribeiro 1936

Carinhoso (samba-choro) Pixinguinha 1937

Onde o céu azul é mais azul (samba) Alcir Pires Vermelho e Alberto Ribeiro 1940

Seu Libório (samba-choro) Alberto Ribeiro 1941

Copacabana (samba-canção) Alberto Ribeiro 1946

Fim de semana em Paquetá (samba) Alberto Ribeiro 1947

A saudade mata a gente (toada) Antônio Almeida 1948

Felicidade (toada) Antônio Almeida 1953

Laura (samba-canção) Alcir Pires Vermelho 1957

ESTÓRIAS INFANTIS

Título Disquinho Parceiros 1ª gravação

Eu vou Branca de Neve e os Sete Anões Frank Churchill e Larry Morey década 50/60

Pela estrada Chapeuzinho Vermelho - década 50/60

Lobo mau Chapeuzinho Vermelho - década 50/60

Valsa da Cinderela A Gata Borralheira - década 50/60

Quem tem medo do lobo mau Os Três Porquinhos - década 50/60

Canção da Cigarra A Cigarra e a Formiga - década 50/60

Canção do Urubu Festa no Céu - década 50/60

Quem quer casar? Estória da Baratinha - década 50/60

Viveiro de Pássaros Viveiros de Pássaros - 1980

SÃO JOÃO

Título Parceiros 1ª gravação

Mané Fogueteiro (samba-canção) - 1934

Noites de junho (marcha) Alberto Ribeiro 1939

Capelinha de melão (marcha) Alberto Ribeiro 1949

Sobe balão (marcha) - 1958

Pedido a São João - 1958

VERSÕES

Título Parceiros 1ª gravação

Aqueles olhos verdes (rumba) Nilo Menendez e Adolfo Utrera 1932

Valsa da despedida Robert Burns e Alberto Ribeiro 1941

Luzes da Ribalta (canção) Charles Chaplin 1953

Sorri (fox) Charles Chaplin, John Turner e Geoffrey Parsons 1955

CARNAVAL

Título Parceiros 1ª gravação

Uma andorinha não faz verão (marcha) Lamartine Babo 1931

Moreninha da praia (marcha) - 1933

Linda lourinha (marcha) - 1934

Deixa a lua sossegada (marcha) Alberto Ribeiro 1935

Linda Mimi (marcha) - 1935

Pirata (marcha) Alberto Ribeiro 1936

Cadê Mimi (marcha) Alberto Ribeiro 1936

Cantores do rádio (marcha) Lamartine Babo e Alberto Ribeiro 1936

Balancê (marcha) Alberto Ribeiro 1937

Touradas em Madri (marcha) Alberto Ribeiro 1938

Pastorinhas (marcha) Noel Rosa 1938

Yes, nós temos bananas (marcha) Alberto Ribeiro 1938

Pirulito (marcha) Alberto Ribeiro 1939

Pirata da perna de pau (marcha) - 1947

Anda Luzia (marcha) - 1947

A mulata é a tal (marcha) Antônio Almeida 1948

Tem gato na tuba (marcha) Alberto Ribeiro 1948

Chiquita bacana (marcha) Alberto Ribeiro 1949

Tem marujo no samba (samba) - 1949

Lancha nova (marcha) Antônio Almeida 1950

Vai com jeito (marcha) - 1957

Corre, corre, lambretinha (marcha) - 1958

Garota de Saint-Tropez (marcha) Jota Júnior 1962

Transient

Ninguém jamais prestou uma homenagem à Copacabana como Braguinha! Obrigado, João de Barro!

Pesquise e descubra mais!